O Outro Lado do Paraíso está repleta de obras de artistas de MT

As telas dos artistas Humberto Espíndola, Marcio Aurélio, Miguel Penha e Gonçalo Arruda ambientaram cenas da trama das 21h; confira!

 
 
 

Planejando seu próximo crime, a vilã interpretada pela atriz Marieta Severo, Sophia Montserrat, entra em seu quarto, à meia luz, preocupada com a insinuações e ameaças proferidas pela mocinha Clara Tavares (Bianca Bin). Elas tiveram uma discussão acalorada.

Veiculada no sábado passado (28), a cena da novela da faixa das 21 horas, “O Outro Lado do Paraíso”, revelava um detalhe que não passou despercebido pelos mato-grossenses mais atentos. Nas paredes do cômodo fictício, não só uma, mas duas obras do artista plástico Gonçalo Arruda, ambientaram a cena que segundo o artista, tem tudo a ver com a temática da criação.

O artista Gonçalo Arruda fez registro de uma das cenas em que aparece uma de suas obras

O artista foi um deles. “São obras da série Minotauro, que comecei a fazer em 2014. Elas retratam o lado selvagem do homem, a maldade humana. Os desenhos têm tudo a ver com atmosfera do quarto da personagem, que devia estar planejando alguma reação”, ressalta Gonçalo Arruda.

Os desenhos, feitos à caneta comum sob tela e reproduzidos na novela, já foram inclusive vendidos. A propósito, a personagem Sophia, é dona de uma mina de esmeraldas e também, colecionadora de arte. Em seu acervo, O LIVRE descobriu outras obras de mato-grossenses, veiculadas desde a primeira fase da novela que já chega à reta final.

Cenários de outros personagens também exibiram obras de artistas locais, facilmente visualizadas em mecanismos de busca pela internet, como a foto de divulgação dos personagens Samuel (Eriberto Leão) e Cido (Rafael Zulu). O autor é o chapadense Márcio Aurélio, que adentra as paisagens como “um desenhista expedicionário a traduzir a memória utópica de um jardim do Éden”, como já conceitou a crítica de Aline Figueiredo.

Os telespectadores poderão ser surpreendidos também, com obras de Miguel Penha e Humberto Espíndola – bastante exploradas no cenário da primeira fase. As obras chegaram à Rede Globo pelo intermédio da própria Aline, animadora cultural de grande importância para a história da arte mato-grossense, além de expoente latino-americana no segmento da crítica de arte.

O curador de arte Willian Gama, responsável por reunir fotografias e textos sobre as obras para intermédio com a emissora, contou que Aline foi procurada por uma das cenógrafas em fase de pré-produção da novela. Segundo ele, foram enviadas reproduções da maioria dos artistas plásticos do Estado e própria Rede Globo selecionou as que entraram, de acordo com a necessidade de cada cenário.

Willian também conta que as preferências da curadoria da novela, gravada em Tocantins, foram por obras que retratassem paisagens do cerrado brasileiro, como faz o naturalista Miguel Penha. Filho de indígenas e resistente de Chapada dos Guimarães, se inspira na natureza e retrata suas matas como recordações da infância e vivências atuais.

A produção de Humberto Espíndola, considerada pela crítica um sarcástico retrato da “sociedade do boi”, entrou ainda na primeira fase da novela que passou por uma grande virada. Junto à Aline Figueiredo, o artista marcou as artes plásticas de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul na década de 1970, atualmente integrantes da Associação Brasileira de Animação, com sede em São Paulo. Ambos são membros da Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA), uma ramificação da Associação Internacional de Críticos de Arte com sede em Paris.

Casa de Clara (Bianca Bin) e Gael (Sérgio Guizé), na primeira fase. Em destaque, a obra da série Cupins, de Humberto Espíndola

Os noveleiros de plantão, portanto, têm mais motivos para se atentar aos últimos capítulos da trama de Walcyr Carrasco, afinal, pode ser que sejam surpreendidos pela arte dos conterrâneos nas telinhas, assim como aconteceu com o próprio Gonçalo Arruda. E claro, o orgulho vai falar mais alto.

“Estava jantando e me assustei quando reconheci meu trabalho. Fiquei muito feliz em ver minhas obras em horário nobre. Ver seu trabalho divulgado em uma novela é o sonho de qualquer novo artista”, comemora.

Confira as obras dos artistas selecionadas para compor alguns dos cenários da trama: